• Hospital Sugisawa

Hospitais de Curitiba temem não dar conta crescimento exponencial de pacientes da Covid-19

Com o objetivo de traçar uma estratégica única para conter o avanço da Covid 19 em Curitiba e região, representantes dos hospitais, estabelecimentos de saúde, operadoras de planos de saúde e o comércio da capital realizaram uma reunião online nesta sexta-feira (19), com a secretária municipal de saúde de Curitiba, Márcia Huçulak. Todos os participantes reforçaram o apoio às determinações da prefeitura e do governo estadual de isolamento.


Participaram do encontro os presidentes do Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Serviços de Saúde do Paraná - Sindipar, Flaviano Ventorim, que conduziu a reunião, da Unimed Curitiba, Rached Traya; da Cassi, Eduardo Lourenço Barbos; da Fundação Copel e representante do Movimento Pró-Paraná, Marcos Domakoski; da Bradesco Saúde, Maire Oliveira; diretores dos hospitais Marcelino Champagnat, Nossa Senhora das Graças, Vita, Nações, Erasto Gaertner, São Vicente, Maternidade Curitiba, Maternidade Curitiba, Sugisawa, Heildelberg. A Associação dos Hospitais do Paraná - Ahopar, presidida por Márcia Rangel, e a Federação das Santas Casas de Misericórdia e Hospitais Beneficentes do Estado do Paraná – Femipa, também presidida por Flaviano Ventorim, acompanharam a reunião.


Além de apoiar as medidas de restrição das atividades, conscientização da população para o momento crítico, os representantes da área da saúde pediram apoio das entidades representantes da sociedade civil, especialmente no respeito e valorização dos profissionais de saúde que vem sofrendo preconceito e hostilidade por parte da população no transporte coletivo.


Os hospitais concordam que há risco iminente de colapso na rede de saúde, caso não sejam respeitadas as medidas de restrição, principalmente o distanciamento social. “É uma situação muito difícil para nós. Temos que tomar decisões todos os dias para tentar proteger a sociedade porque só a abertura de leitos não vai funcionar”, explicou a secretária. Ela se refere à possibilidade de a rede pública de saúde ter que buscar mais leitos na rede privada para atender uma demanda que cresce exponencialmente.


Desde o início da pandemia, em 11 de março, 2.543 casos de novo coronavírus já foram confirmados e 97 pessoas morreram vítimas da Covid 19 em Curitiba. Os dados são da última quinta-feira (19), quando a taxa de ocupação de UTIs SUS para Covid-19 estava em 75%, com 223 leitos ativados. Nesta quarta-feira, os hospitais públicos e privados já estimavam ocupação entre 85% e 100% das UTIs em geral, sem distinção entre COVID e outras internações, pois há hospitais que não têm UTIs específicas.


Os representantes dos hospitais, as operadoras concordam que mesmo colocando mais leitos à disposição da rede pública, isso não será suficiente se a propagação do vírus não for contida. E isso só vai acontecer com o reforço no isolamento social, além das medidas de segurança amplamente divulgadas, como o uso de máscara e a higienização correta das mãos, concordam os participantes.


“Estamos buscando alternativas para garantir mais estrutura para otimizar a utilização dos leitos disponíveis na rede pública e privada. Avaliamos a possibilidade de um hospital de campanha apenas para as vítimas da Covid 19”, adiantou o presidente do Sindipar, Flaviano Feu Ventorim.

O presidente da Associação Comercial do Paraná (ACP) Camilo Turmina, que participou do encontro virtual, reforçou que a associação é sensível aos problemas econômicos do varejo, mas que o isolamento é necessário nesse momento.


O presidente da Unimed Curitiba Rached Traya pede um “salto de ousadia” das autoridades para que a rede de saúde possa se preparar para o aumento da demanda que vai acontecer inevitavelmente, com a chegada de novos casos aos hospitais. Ele elogia as ações de contenção ao vírus desde que a pandemia começou, mas diz que é preciso reforçar essas medidas antes que o caos se instale.


Atualmente Curitiba tem disponível 5.730 leitos gerais nos hospitais privados (sendo que 3.588 são associados do Sindipar, Femipa, Ahopar e Fehopar) e 927 UTIs (sendo que 618 são associados das entidades). Dos leitos associados, a ocupação média de UTIs já está entre 85% e 95%, com pacientes com outras doenças e pacientes com a Covid 19.


#covid19 #coronavirus #curitiba #hospitaisdecuritiba #uti

1,071 visualizações

® Todos os direitos reservados a Hospital Sugisawa. 

  • Facebook
  • Linkedin